1922

No Brasil

13 de fevereiro. 1º dia da Semana de Arte Moderna, no Theatro Municipal de São Paulo. Na parte musical, são executadas as seguintes peças: D’Edriophtalma, segunda peça da sequência Embryons Dessechés, de Erik Satie, e uma peça de Francis Poulenc, por Ernâni Braga ao piano; Sonata No.2, para violoncelo e piano, de Heitor Villa-Lobos, por Alfredo Gomes (violoncelo) e Lucília Magalhães Villa-Lobos (piano); Trio No.2 de Villa-Lobos, por Paulina d’Ambrósio (violino), Alfredo Gomes (violoncelo) e Fructuoso Vianna (piano); Valsa mística e Rodante (da Simples Coletânea), e A fiandeira, de Villa-Lobos, por Ernâni Braga (piano); e Danças Características Africanas (transcrição para octeto, a partir do original para piano, composto em 1914/15), com as seguintes peças: Farrapos, Kankukus e Kankikis, de Villa-Lobos, por Paulina d’Ambrósio (violino), George Marinuzzi (violino), Orlando Frederico (viola), Alfredo Gomes (violoncelo), Alfredo Corazza (contrabaixo), Pedro Vieira (flauta), Antão Soares (clarinete) e Fructuoso Vianna (piano)

15 de fevereiro. 2º dia da Semana de Arte Moderna, no Theatro Municipal de São Paulo. Na parte musical, são executadas as seguintes peças: Au jardin du vieux serail, da Suíte andrinople, de E. R. Blanchet; O ginete do pierrozinho, da coletânea Carnaval das crianças, de Villa-Lobos; La Soirée dans grenade, das Estampes, de Debussy; e Minstrels, do Livro I dos Prelúdios, de Debussy, por Guiomar Novaes, ao piano. Por insistência da plateia, Guiomar executou ainda L’Arlequin, de Vallon; Também foram executadas as seguintes peças, de Villa-Lobos: Festim pagão (poesia de Ronald de Carvalho), Solidão, da série Historietas (poesia de Ribeiro Couto), Cascavel (poesia de Costa Rego Júnior), por Frederico Nascimento Filho (canto) e Lucília Guimarães Villa-Lobos (piano); e Quarteto No.3, por Paulina d’Ambrósio (violino), George Marinuzzi (violino), Orlando Frederico (viola) e Alfredo Gomes (violoncelo).

17 de fevereiro. 3º dia da Semana de Arte Moderna, no Theatro Municipal de São Paulo. Na parte musical, são executadas as seguintes peças, de Villa-Lobos: Trio No.3, por Paulina d’Ambrósio (violino), Alfredo Gomes (violoncelo) e Lucília Guimarães Villa-Lobos (piano); Lune d’Octobre, da série Historietas (poesia de Ronald de Carvalho); Eis a Vida, da série Epigramas Irônicos e Sentimentais (poesia de Ronald de Carvalho); Jouis Sans Retard, Car Vite S’écoule La Vie, da sére Historietas (poesia de Ronald de Carvalho), por Maria Emma (canto) e Lucília Guimarães Villa-Lobos (piano); Sonata-Fantasia No.2, para violino e piano, por Paulina d’Ambrósio (violino) e Fructuoso Vianna (piano). Uma camponesa cantadeira, da Suíte Floral; Num berço encantado, da Simples Coletânea; Dança infernal (ou Bailado infernal), por Ernâni Braga (piano); Quarteto simbólico  - Impressões da vida mundana (Quatuor), por Pedro Vieira (flauta), Antão Soares (saxofone), Ernâni Braga (celesta), Fructuoso Vianna (piano em lugar de harpa) e coro feminino.

5 de julho. Estreia da Prole do bebê No.1 de Villa-Lobos, por Arthur Rubinstein, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. 

22, 24, 25, 27 e 28 de junho; 12, 15 e 16 de julho. Oito recitais do pianista russo Alexander Brailowsky no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.
 
30 de junho; 2, 8 e 9 de julho. Quatro recitais do pianista polonês Arthur Rubinstein no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

No mundo