1909

No Brasil

14 de julho. Concerto de inauguração do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com obras de Francisco Manuel da Silva (Hino Nacional), Francisco Braga, Carlos Gomes, e Delgado de Carvalho. Orquestra formada por 64 professores, sob regência de Francisco Braga. Também houve um discurso do poeta Olavo Bilac, e a encenação de uma peça de teatro da autoria de Coelho Netto.

16 de agosto. É inaugurado o Cinema Odeon, o mais luxuoso do Rio de Janeiro, situado na Avenida Central (atual Av. Rio Branco), nº 137-139, esquina com Rua Sete de Setembro. Houve um concerto de inauguração, com partitipação dos músicos Laura Malta (soprano), Mario Pinheiro (baixo), Arthur Camilo (piano), além de dois conjuntos orquestrais do cinema sob regência de Carlos Noli. Ainda neste ano, Ernesto Nazareth passa trabalhar como pianista da sala de espera do Cinema Odeon, ganhando grande notoriedade.

30 de outubro. Primeiro recital no Theatro Municipal do Rio de Janeiro com participação de pianistas. Foram eles o polonês naturalizado norte-americano Mieczyslaw (Miécio) Horszowski, então com 17 anos, em sua primeira apresentação no Brasil, e o pianista português Arthur Napoleão, radicado no Brasil há décadas. Horszowski interpretou obras de Rameau, Chopin, e Liszt; e Napoleão interpretou obras de Beethoven (com transcrição de Liszt), Chopin e Liszt. Ao final, o duo interpretou a dois pianos as Variações sobre um tema de Beethoven, de Saint-Saëns. Também participaram do recital a violinista Paulina d'Ambrosio, o violoncelista Rubens Tavares, a declamadora Gina de Araújo de Oliveira, e a cantora e pianista Elvira Gudin. Horszowski,  Napoleão e Gudin realizaram os acompanhamentos.  

9 de novembro. Recital no Theatro Municipal do Rio de Janeiro com Mieczyslaw (Miécio) Horszowski e Arthur Napoleão, que interpretaram a dois pianos obras de Max Bruch, Mozart, e Saint-Saëns. Participação da violinista Paulina d'Ambrosio. e do violoncelista Rubens Tavares.

30 de novembro. Grande festival de despedida da violinista Paulina d'Ambrosio no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com participação de Mieczyslaw (Miécio) Horszowski, que interpretou obras de Gluck-Sgambati, Dubois e Chopin; Arthur Napoleão, que intrepretou obras de Liszt; os violinistas Paulina d'Ambrosio e Júlio Cardona, e o violoncelista Rubens Tavares. Os pianistas Ernani Braga, Horszowski e Napoleão se alternaram nos acompanhamentos. 

Novembro. Guiomar Novaes é admitida no Conservatório de Paris aos 15 anos, ficando em primeiro lugar entre os 331 candidatos, para as 12 vagas oferecidas, depois de tocar para um júri formado por Gabriel Fauré (então diretor do conservatório), Claude Debussy, Moritz Moszkowski, Charles-Marie Widor e Lazare-Lévy. Guiomar interpretou nas provas o Prelúdio e Fuga No.3 em Dó# maior (Livro I do Cravo Bem Temperado), de Bach, o Estudo No.4, em Mi maior, de Paganini-Liszt, a Balada No.3 Op.47 de Chopin, e parte do Carnaval de Schumann. No segundo exame, quebrando o protocolo dos concursos do Conservatório, devido ao fascínio que a jovem Guiomar lhe provocara, Debussy pediu que Guiomar repetisse a execução da 3ª Balada de Chopin. Em carta ao compositor André Caplet, datada de 25/11/1909, Debussy escreveu: “Eu estava voltado para o aperfeiçoamento da raça pianística na França... : a ironia habitual do destino quis que o candidato artisticamente mais dotado fosse uma jovem brasileira de treze anos. Ela não é bela, mas tem os olhos 'ébrios da música' e aquele poder de isolar-se de tudo que a cerca - faculdade raríssima-, que é a marca bem característica do artista”.

No mundo

Centenário de nascimento de Felix Mendelssohn.

28 de novembro. Estreia mundial do Concerto No.3 de Rachmaninoff, com o autor ao piano, e a Orquestra Sinfônica de Nova York sob regência de Walter Damrosch. New Theater (depois renomeado para Century Theatre, e demolido em 1931), Nova York, EUA.