1869

No Brasil

A pianista portuguesa Judith Ribas chega ao Rio de Janeiro, onde passaria a residir, depois de se casar com o também pianista e compositor Antônio Cardoso de Menezes.

3 de maio. O pianista americano Louis Moreau Gottschalk chega à cidade do Rio de Janeiro.

3 de junho. Primeiro recital de Louis Moreau Gottschalk no Brasil, com obras de sua autoria (Tremolo, O banjo, e A morta), e Murmúrios eólios (provavelmente de sua autoria). Neste evento, Gottschalk também interpretou sua Grande fantasia sobre os motivos de Il trovatore, de Verdi, e Seus olhos, de sua autoria, ambas a dois pianos com Ricardo Ferreira de Carvalho. O concerto contou com a participação de outros músicos. Teatro Lírico Fluminense, Rio de Janeiro. 

9 de junho. Segundo recital de Louis Moreau Gottschalk no Rio de Janeiro, em que executa sua Tarantela para piano e orquestra. Também tomou parte do concerto o pianista Bernhard Wagner. Teatro Lírico Fluminense, Rio de Janeiro. 

Junho (provavelmente entre os dias 10 e 17). Terceiro recital de Louis Moreau Gottschalk no Rio de Janeiro, com participação dos pianistas Ricardo Ferreira de Carvalho e Annibal Napoleão. Juntos os 3 pianistas interpretaram a abertura da ópera Guilherme Tell, de Rossini, em um arranjo para 6 mãos. Gottschalk executou ao piano solo peças de sua autoria, e também sua Tarantela para piano e orquestra. Rio de Janeiro.

18 de junho. Quarto recital de Louis Moreau Gottschalk no Rio de Janeiro, em que interpretou obras suas, dentre elas a primeira audição mundial das "Variações sobre o Hino Nacional Brasileiro" (obra que também recebeu o título de Grande fantasia triunfal sobre o Hinio Nacional Brasileiro). Também participaram do concerto H. C. Tiepke, Achille Amaud (piano), Luigi Elena (violino), e Joaquim Antônio da Silva Callado (flauta). Ginásio Dramático, Rio de Janeiro.

21 de junho. Quinto recital de Louis Moreau Gottschalk no Rio de Janeiro. Também participaram os pianistas Bemhard Wagner, Rcardo Ferreira de Carvaho e Achille Amaud. Ginásio Dramático, Rio de Janeiro.

30 de julho. Sarau artístico de Louis Moreau Gottschalk com obras de sua autoria (Pensamento poético, Tremolo, Murmúrios eólios, Morta!, Capricho sobre o Hino da Independência, O banjo, Olhos crioulos, e Grande fantasia triunfal sobre o Hino Nacional Brasileiro). Também interpretou sua composição Seus olhos, e Grande fantasia sobre os motivos de Norma (provavelmente composta por Thalberg), ambas a dois pianos com Ricardo Ferreira de Carvalho. Nesta ocasião, foram conduzidos ao palácio os dois recém-chegados pianos Chickering, de Gottschalk. Paço Imperial, Rio de Janeiro.

23 de agosto. Recital de Louis Moreau Gottschalk. Valença (RJ).

Setembro. Narciso José Pinto Braga e Arthur Napoleão inauguram no Rio de Janeiro sua loja de partituras, e editora, Narciso & A. Napoleão, que existiria até 1877, e depois continuaria sob a direção de Arthur Napoleão.

1º de setembro. Recital de Louis Moreau Gottschalk. São Paulo (SP).

6 de setembro. Recital de Louis Moreau Gottschalk. Santos (SP).

21 de setembro. Recital de Louis Moreau Gottschalk. Também participou do evento o pianista Ricardo Ferreira de Carvalho. Rio de Janeiro. 

29 de setembro. Recital de Louis Moreau Gottschalk, organizado pela editora Narciso, Arthur Napoleão & Cia., que tinha por finalidade angariar assinaturas para a edição de uma série de obras de Gottschalk, constantes do programa da noite. Rio de Janeiro. 

5 de outubro. Louis Moreau Gottschalk organiza o primeiro de uma série de três grandes concertos, com 31 pianistas (tocando em 16 pianos) e duas orquestras sob sua regência. No repertório, constaram o Coro dos soldados, da ópera Fausto, de Gounod, e a Grande Marcha do Tannhauser, de Wagner, em arranjos de Gottschalk para esta formação. Apesar da forte tempestade que ocorreu, o teatro estava lotado. Teatro Lírico Fluminense, Rio de Janeiro.

7 de outubro. Louis Moreau Gottschalk organiza o segundo de uma série de três grandes concertos, com 31 pianistas (tocando em 16 pianos) e duas orquestras sob sua regência. No repertório, constaram o Coro dos soldados, da ópera Fausto, de Gounod, e a Grande Marcha do Tannhauser, de Wagner, em arranjos de Gottschalk para esta formação. Teatro Lírico Fluminense, Rio de Janeiro.

10 de outubro. Louis Moreau Gottschalk organiza o terceiro de uma série de três grandes concertos, com 31 pianistas (tocando em 16 pianos) e duas orquestras sob sua regência. No repertório, constaram o Coro dos soldados, da ópera Fausto, de Gounod, e a Grande Marcha do Tannhauser, de Wagner, em arranjos de Gottschalk para esta formação. Teatro Lírico Fluminense, Rio de Janeiro.

24 de novembro. Louis Moreau Gottschalk organiza um histórico “concerto-monstro”, com a participação de uma orquestra de 70 professores, 2 orquestras alemãs, e pelo menos 15 bandas, obtendo êxito sem precedentes, executando La chasse du jeune Henri, de Méhul, a marcha solene brasileira Humaitá, de Gottschalk (dedicada ao imperador D. Pedro II), e um dos movimentos (Andante) da sinfonia Noite dos trópicos, também de sua autoria. No evento, totalizaram 650 executantes de orquestra e banda, e mais de 100 instrumentos de percussão. Para o concerto, foram necessários 11 copistas, que produziram as partes de cada instrumento em 12.100 páginas de partituras. Na primeira parte do evento, Gottschalk executou ao piano solo uma fantasia virtuosística sobre motivos da ópera Fausto, de Gounod, e interpretou sua Tarantela, com acompanhamento de grande orquestra. Teatro Lírico Fluminense, Rio de Janeiro.

25 de novembro. Última apresentação pública de Louis Moreau Gottschalk, durante um concerto da Sociedade Filarmônica Fluminense no Teatro Lírico Fluminense (Rio de Janeiro), em que o pianista interpretou sua obra "Morte!". Ao iniciar a execução de seu "Tremolo", teve um colapso, sendo socorrido em seguida. O pianista viria a falecer menos de mês depois.

26 de novembro. Estava prevista uma repetição do "concerto-monstro" que ocorrera dois dias antes, em 24 de novembro. A primeira parte, com uma comédia teatral representada pela Companhia do Ginásio Dramático, foi levada à cena. Porém a segunda parte, com a enorme aglomeração de músicos a ser regida por Gottschalk, não aconteceu. A cortina chegou a abrir, com os músicos posicionados no palco, porém Gottschalk, que estava presente nos bastidores, não conseguiu subir ao palco, devido à enfermidade que lhe acometia. Teatro Lírico Fluminense, Rio de Janeiro.

18 de dezembro. Falece o pianista e compositor americano Louis Moreau Gottschalk, no Rio de Janeiro.

No mundo