naturalidade
Fortaleza (CE)
fontes
Entrevista com Paulo Gondim realizada por Bruno Andrade de Britto em outubro de 2016.

Gondim, Teca. Resumo da vida de Paulo Gondim. Não publicado. Sem data.

Resumo biográfico publicado no álbum "5 Peças para piano - Paulo Gondim". Edição do autor, 2003.

Resumo biográfico publicado no álbum "3 Peças para piano - Paulo Gondim". Edição do autor, 2009.

Resumo biográfico publicado no álbum "Paulo Gondim - Trajetórias sonoras para piano" [Volume 1]. Edições Contexto, Salvador - Bahia, 2006.

Pinheiro, Raimara Kadija Teles. Quatro Estudos para Piano de Paulo Gondim: um Estudo Analítico. Dissertação de Mestrado em Música - Universidade Federal da Bahia. 2011.

Silva, Saulo Gama. A música dos pianistas de Salvador: Sete compositores e suas práticas musicais. Dissertação de Mestrado em Música - Universidade Federal da Bahia, 2008.
Atualizado em 31.10.2016
VERBETE

Paulo Gondim

N. 21 de Junho de 1934
Por Bruno Andrade de Britto e Alexandre Dias

Francisco de Paula Gondim nasceu em Fortaleza (CE), em 21 de junho de 1934. Foi o 11º de 13 filhos de Maria de Lourdes Hermes Gondim (1901-1987) e José Leite Gondim Filho (1893-1947). A família era de músicos, e, além de Paulo, outros três filhos seguiram carreira: Maria Guilhermina, Maria Suzana e Maria Margarida, que formaram posteriormente o grupo vocal "As Três Marias". Os saraus eram comuns em sua casa, com os familiares tocando piano, flauta, violino ou cantando. Sua mãe, grande pianista, compositora e poetisa, acoompanhava ao piano à primeira vista, ou de ouvido. Com ela, Paulo teve as primeiras aulas de piano. Nesta época, já tocava de ouvido. Depois, aos sete anos, passou a estudar com sua irmã, Maria Suzana, e posteriormente teve aulas com Amélia Menezes. 

Em 1946, ingressou no curso de piano do Conservatório Alberto Nepomuceno, em Fortaleza. Neste ano, compôs sua primeira música, a Valsa n° 1, após assistir ao filme “À noite sonhamos”, aos 12 anos. No Conservatório, aprofundou seus conhecimentos com o maestro Orlando Leite, estudando contraponto e harmonia.

Em 1948, escreveu Romance, sua segunda composição, com influência de Brahms. A década de 1950 foi marcada por uma forte influência do jazz em seu estilo musical, ampliando seus conhecimentos.

Em 1954, realizou trabalhos na Rádio Iracema e PRE-9, de Fortaleza, como pianista acompanhando uma orquestra de jazz que tocava fox-trots, sambas-canções e boleros. Depois foi para a Ceará Rádio Clube, também em Fortaleza, onde dava concertos uma vez por semana de cerca de meia hora, onde tocava músicas eruditas, populares e suas próprias composições.

Em 1957, por incentivo de Orlando Leite, transferiu-se para Salvador para estudar nos Seminários Livres de Música da Bahia, onde estudou com Sebastian Benda (1926-2003), Lola Benda, Yulo Brandão, Ernst Widmer (1927-1990), Hans-Joachim Koellreutter (1915-2005), diretor dos Seminários, e Pierre Klose (1921-2006). Lá, conheceu o pianista Carlos Lacerda, que admirava a habilidade de Paulo Gondim em tocar músicas populares e eruditas, e que gravou algumas de suas composições no LP "Carlos Lacerda - piano de informal (e bossa)". Gondim homenageou-o com a música Lacerdeska (1978). Em homenagem a seu professor Yulo Brandão, compôs a peça Yuleska em 1959. Neste mesmo ano, ainda estudante, começou suas atividades como docente na futura Escola de Música da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Graduou-se em 1961, e especializou-se por dois anos com Pierre Klose. Nesta década, estreou como solista da Orquestra Sinfônica da UFBA, realizando a 1ª audição na Bahia da Rhapsody in Blue de George Gershwin, apresentando no mesmo dia o Concerto nº 1 de Liszt. Também estreou no estado o Concerto em Fá, de Gershwin e o Concerto para piano de Aram Khachaturian. Nesta época, apresentou-se também como solista da Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA).

Entre 1962 e 1964, trabalhou na Escola de Dança da UFBA como pianista improvisador. Em 1965, participou do Festival Internacional de Corais no Lincoln Center for the Performing Arts, em Nova York, atuando como tenor solista do Madrigal da UFBA, grupo que integrou até a década de 1980. Nesta época, gravou um disco cantando canções do maestro Santa Fé Aquino.

Atuou extensamente como recitalista e camerista. Em duo com o clarinetista Klaus Haefele, realizou turnês na Bahia em outros estados. Apresentou-se ao piano solo como integrante do Conjunto Música Nova e do Bahia Ensemble, especializado na música contemporânea produzida pelo Grupo de Compositores da Bahia. A partir de 1975, passou a lecionar música popular e improvisação na Universidade Católica do Salvador (UCSal). Em 1979, começou a lecionar piano na Escola de Música da UFBA, instituilção pela qual aposentou-se anos depois. Alguns de seus alunos, tanto da graduação como particulares, foram Diana Santiago, Eduardo Torres, Odeval Matos, Teca Gondim (sua filha), Saulo Gama, Marcelo Gauter, entre outros.

Em 1986, gravou seu primeiro LP como solista, intitulado “Paulo Gondim, o pianista”, contendo oito composições de sua mãe, Maria de Lourdes Gondim, que viria a falecer um ano depois.

Sua atividade artística levou-o, também, a participar de festivais, cursos e turnês de concertos no Brasil e no exterior: Alemanha, Uruguai, Paraguai. Em 1996, a convite da Yabas Arte Brazil, apresentou-se nas cidades americanas de Albany, New Platz e Woodstock-NY, onde estreou e gravou suas composições, resultando no lançamento do CD "Family Album - Brazilian pianist in concert" (1997). Neste disco, interpretou também obras de Villa-Lobos, de sua mãe Maria de Lourdes Gondim, e de sua irmã Margarida Gondim.

Em 2000, participou do CD "Silvio Deolindo Froes" (lançado pela Escola de Música da UFBA), acompanhando a soprano Graça Reis em diversas canções deste deste compositor baiano. Em 2004, recebeu o prêmio de melhor Instrumentista do II Festival de Música da Educadora FM 107,5.

Publicou álbuns de partituras com suas composições, como 3 Peças para Piano (1997), 5 Peças para Piano (2003), Trajetórias Sonoras I (2006) e II (2012). Também revisou e lançou os álbuns de partituras "Valsas, Tangos e Choros" (1997), com obras de sua mãe, e 4 Peças para Piano, de autoria de sua irmã, Margarida Gondim Beleza.

Em 2007, lançou o CD “Puro Prazer” em recitais na Reitoria da UFBA, e no Teatro José de Alencar, contendo composições próprias. Sua obra conta com cerca de 30 músicas, que empregam gêneros como estudos, valsas, choros, baiões, prelúdios, noturnos, e baladas. Algumas de suas influências são:  Dave Brubeck, Ernesto Nazareth, Maria de Lourdes Gondim, Frédéric Chopin, Georges Gershwin, e Cesar Camargo Mariano, utilizando grande riqueza rítmica e harmonias vindas do jazz e da bossa-nova. 

Listagem parcial de composições:

Alegria de Amor; Avexada; Brubeckiando; Dança das Borboletas [desaparecida]; Dr. Minus; Ela; Estudo em Ré b; Estudo em sol bemol; Fim de tarde em Amargosa; Foi Assim; Improviso na sala 3; Lá e Cá; Lu driblando o Toefl; Nestorlina; Noturno nº 1; Noturno nº 2; Prelúdio; Puro Prazer; Recordação; Romance; Sonhando; Tapioca; Teca; Um tempo; Valsa nº 1; Violeiro; Você vem, você vai!; Yuleska; Lacerdeska;